Serra adota exigência de inspeção acreditada para obras públicas

Isso significa, na prática, que os projetos de engenharia e obras públicas, segundo requerido, deverão ser avaliados e certificados por um organismo de inspeção acreditado pelo Inmetro ou por outro órgão de reconhecimento internacional

0
23
Prefeitura Municipal da Serra. Foto: Jansen Lube/Acervo-PMS

Serra se tornou o primeiro município brasileiro a determinar a exigência de certificado de inspeção acreditada de projetos de engenharia e obras públicas para a realização de construções, tornando efetiva a obrigatoriedade do processo, previsto no Projeto de Lei nº 4253 de 2020 (nova Lei de Licitações) e recomendado pela Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (ABRAC).

Isso significa, na prática, que os projetos de engenharia e obras públicas, segundo requerido, deverão ser avaliados e certificados por um organismo de inspeção acreditado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) ou por outro órgão de reconhecimento internacional. Na impossibilidade de obter o certificado nessas condições, a Secretaria Municipal de Obras (SEOB) poderá obtê-lo perante outra entidade com notória experiência.

A exigência de inspeção acreditada visa a proteger a Administração Pública de atos lesivos que resultem em quaisquer tipos de prejuízos (sociais, ambientais, financeiros, entre outros) causados por irregularidades técnicas, garantir a execução de contratos em conformidade com a legislação e os regulamentos pertinentes, prover maior segurança e transparência nos contratos, obter melhor desempenho nos empreendimentos de infraestrutura e reduzir a insegurança jurídica.

Os certificados e relatórios de inspeção acreditada de projetos e obras de engenharia deverão evidenciar, de forma clara e objetiva, que todas as peças gráficas, memoriais e cálculos estão em conformidade com os requisitos. O procedimento é recomendado pela ABRAC. “A Inspeção Acreditada oferece às administrações públicas maior segurança técnica e jurídica, além de alinhamento com práticas modernas de gestão de riscos e governança”, explica Cleriane Lopes Denipoti, vice-presidente de Inspeções da entidade.

PUBLICIDADE