Diretores escolares eleitos para o triênio 2022-2025 tomam posse em Vitória

O planejamento da secretaria de Educação de Vitória é para iniciar o ano de 2022 com um grande investimento em tecnologia para a rede municipal de ensino, possibilitando melhores condições de trabalho dos profissionais e mais recursos para aprendizagem dos estudantes

0
46
Posse de diretores escolares. Foto: Divulgação/PMV

Por: Brunella França

Gestor escolar é a pessoa que, além de ser responsável pelo trabalho administrativo da escola, também está à frente do projeto pedagógico a ser desenvolvido na unidade de ensino. Na manhã de segunda-feira 3, diretoras e diretores eleitos para estar à frente dos 49 Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei) e das 53 Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emef) foram empossados no auditório da Prefeitura Municipal de Vitória.

“Este é o nosso primeiro compromisso público do ano, estamos abrindo as portas da Prefeitura no primeiro dia útil do ano para a Educação. Sabemos que uma cidade não se faz com decisões de gabinete, tive oportunidade de encontrar vários dos senhores, estive em diversas unidades de ensino ao longo de 2021 e seguirei com as visitas em 2022. Temos desafios históricos a superar, mas já neste primeiro ano reformamos e estamos em obras em 53 unidades de ensino. Nós investimos, no primeiro ano de gestão, mais do que os últimos 10 anos na Educação. A pasta é prioridade da nossa gestão e nós mostramos isso, no Plano Vitória, que prevê R$ 1 bilhão de investimentos, a maior fatia, de R$ 200 milhões, ficou com a Educação”, destacou o prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini.

“Não faltam investimentos. Mas nada disso valerá se não houver sinergia, responsabilidade e amor ao ato de educar com o compromisso de ressignificar vidas, de abrir janelas de oportunidade às nossas crianças e estudantes. Temos uma oportunidade, com recursos e com diálogo, de escrevermos uma nova história e um futuro promissor para as gerações mais novas da nossa cidade”, completou o prefeito.

O foco no direito à aprendizagem de crianças e estudantes deu o tom da apresentação da secretária Juliana Rohsner aos diretores eleitos. “Diretor não é síndico. O nosso papel principal é a gestão de aprendizagens. Nós trabalhamos para que o pedagógico aconteça. O foco está nas nossas crianças e estudantes. A posse dos diretores hoje é um convite a construirmos juntos os próximos três anos. Nós precisamos acreditar que a vida dos nossos estudantes pode ser mudada, pode ser transformada na escola”, afirmou.

Novidades para 2022

O foco da secretaria municipal de Educação é garantir o direito à aprendizagem de crianças e estudantes. Para isso, a partir de 7 fevereiro, início do calendário escolar, as crianças matriculadas na Educação Infantil e os estudantes do ensino fundamental regular (do 1º ao 9º ano) terão a jornada escolar ampliada.

Nos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei) e nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emef), onde o horário hoje é das 7h às 11h30 para o matutino e das 13h às 17h30 para o vespertino, passarão a atender das 7h às 12h pela manhã e das 13h às 18h à tarde. A mudança resultará em mais 100 horas anuais nas unidades de ensino para cada criança ou estudante. Já para as unidades em tempo integral, cujo horário é das 7h às 16h30, e para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), com aulas das 18h às 22h, o horário permanece o mesmo.

“Eu me sinto muito lisonjeada, fiquei muito feliz por representar a Educação Infantil e reafirmar que nosso papel de diretor sempre foi priorizar a educação pública de qualidade para nossas crianças. O nosso trabalho é feito por eles e para eles. A expectativa é positiva, que a gente continue desenvolvendo projetos em benefício das crianças e das comunidades onde nossas unidades de ensino estão localizadas. É muito gratificante quando vemos fora dos muros da escola os frutos desse trabalho”, ressaltou Leida Valbusa, diretora do Cmei Aécio Bispo dos Santos, no Jaburu, que representou os diretores da Educação Infantil na posse.

Organização curricular

Outra mudança será a organização curricular comum para a rede, no Ensino Fundamental regular. Este ano, as 52 Emef terão todas um mesmo conjunto de componentes curriculares e número de aulas, de acordo com a Base Nacional Comum, além da parte diversificada, com conteúdos complementares para atendimento às características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos estudantes.

No ano que vem, todos os estudantes, do 1º ao 9º ano, terão aulas de Língua Inglesa e Projeto de Vida na rede municipal de Vitória. Já na parte diversificada, de acordo com a escolha de cada escola, serão ofertadas ainda aulas de práticas experimentais em Educação Socioambiental; Educação Empreendedora e Financeira; Iniciação Científica; Libras; Música; Tecnologias Educacionais; Território do viver.

“A gente de fato vem numa expectativa muito grande. Tivemos muitos momentos de tensão no ano de 2021, mas que a gente possa estar construindo a educação de Vitória por todas as mãos, que o Fórum de Diretores seja mais ouvido, para que a gente possa atingir as metas e o cumprimento de todas as ações previstas para a melhoria da Educação”, disse José Honor, diretor da Emef Adão Benezath, em Antonio Honório, representando os diretores do Ensino Fundamental.

Tecnologia para unidades de ensino, profissionais e estudantes

O planejamento da secretaria de Educação de Vitória é para iniciar o ano de 2022 com um grande investimento em tecnologia para a rede municipal de ensino, possibilitando melhores condições de trabalho dos profissionais e mais recursos para aprendizagem dos estudantes. “Eu sou fruto da educação pública de Vitória. Todas as pessoas, com acesso à educação, são capazes de mudar sua realidade. Parabéns a todos vocês, que passaram por um processo eletivo, apresentaram um projeto e estarão à frente das unidades de ensino. Que possamos alcançar não só as metas, mas também os sonhos”, desejou a vice-prefeita de Vitória, Estéfane Ferreira.

AO TODO, SÃO R$ 70 MILHÕES EM COMPRA DOS SEGUINTES EQUIPAMENTOS:
5 mil notebooks para uso dos profissionais nas unidades de ensino;
3 mil novos computadores de mesa para renovação dos equipamentos que hoje suprem a rede e estão defasados, com configurações anteriores a 2012;
25 mil tablets para uso dos estudantes do 5º ao 9º ano do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos (EJA);
54 plataformas Tix Letramento para atendimento aos estudantes da Educação Especial.

PUBLICIDADE