Turma da Ilha: estudantes formam coral e gravam vídeo de presente para Vitória

Pensando a música como um elo em tempos de pandemia, a professora Dalila Envagelista Costa desenvolveu o projeto “Turma da Ilha”, a partir da ideia de gravar um coral virtual com os estudantes para retomar a prática musical coletiva com eles em meio ao distanciamento na pandemia

0
13
Foto: Divulgação

Por Brunella França

No dia do aniversário de 470 anos de Vitória (08/09), 130 estudantes do 1º ao 4º ano do turno matutino da Emef Castelo Branco presenteiam a cidade com seus sorrisos e suas vozes, interpretando a canção “Turma da Ilha”, música que, segundo a professora Dalila Envagelista Costa, da EMEF Castelo Branco, na Ilha do Príncipe, é uma manifestação cultural importante para definir a identidade de um povo.

Pensando a música como um elo em tempos de pandemia, a professora desenvolveu o projeto “Turma da Ilha”, a partir da ideia de gravar um coral virtual com os estudantes para retomar a prática musical coletiva com eles em meio ao distanciamento na pandemia. “Eu pesquisei uma canção que se baseasse no tema da escola para 2021 e a canção Turma da Ilha, de Milton Karam, acabou dando nome ao projeto e inspirando uma sequência de atividades sobre o bairro Ilha do Príncipe, onde se localiza a escola, e alguns aspectos da Ilha de Vitória, resgatando histórias, patrimônios, cultura e folclore, valorizando artistas locais”, contou a professora.

Também participaram do projeto a professora de Artes Maria Aparecida Rosa Meneguelli, a professora de Informática educativa Poliana da Cruz Zucoloto e o bibliotecário Fábio de Souza Pereira. No período em que as aulas presenciais estavam suspensas, os estudantes acessaram a plataforma AprendeVix e participaram das primeiras atividades. No retorno presencial, a confecção das casacas e a entrevista com a escritora capixaba Andréa Espíndula motivaram ainda mais estudantes a realizar as atividades, e dobrou a quantidade de interessados em participar do coral virtual.

A primeira atividade, que recebeu o título do projeto, abordou o conceito de ilha, a história do nome do bairro Ilha do Príncipe, fundamentada em documentos históricos do Espírito Santo, e também disponibilizou imagens do bairro antes do aterramento, quando ainda era uma ilha. As atividades seguintes, sobre a história do bairro, foram inspiradas na arte-mural “Ativar Ilha do Príncipe”, do coletivo Cidade Quintal, dividida em três trechos: Travessias, Joias e Marias.

PUBLICIDADE