Professores conhecem de perto comunidades de Moscoso, Piedade e Fonte Grande

A iniciativa, segundo Maria da Penha Azevedo, já era estudada há alguns anos

0
7
Foto: Divulgação/PMV

Por Brunella França

Os profissionais das 102 unidades de ensino da Rede Municipal de Ensino de Vitória convivem com os estudantes por anos, participam de suas escolhas de vida, presenciam seu crescimento e amadurecimento e são, além de tudo, grandes parceiros na trajetória de cada um deles. Pensando nisso, uma ação da Escola Municipal de Ensino Fundamental em Tempo Integral (Emef TI) Anacleta Schneider Lucas, no bairro Fonte Grande, permitiu um fortalecimento de vínculos dos profissionais da escola com a comunidade.

A iniciativa, como conta a diretora da unidade de ensino, Maria da Penha Azevedo, já era estudada há alguns anos. Foi por meio de uma parceria com o Instituto Raízes, parceiro de longa data da escola, que o projeto saiu do papel. “Já estudávamos essa iniciativa há algum tempo, e felizmente este ano conseguimos colocá-la em prática. É muito legal que entendamos a realidade de nossos estudantes de perto, toda a equipe da escola. Assim podemos ter um relacionamento afetivo, empático, e que certamente favorece o processo de aprendizagem”, explica.

A equipe escolar foi recebida com um café da manhã pela equipe do Instituto Raízes e por líderes comunitários. Houve um diálogo sobre a história e a origem da comunidade dos bairros Piedade, Moscoso e Fonte Grande. Em seguida, a equipe foi levada para um passeio pelas comunidades. Assim, eles conheceram pontos importantes e a história de cada um deles, como a Bica da Chácara, a Casa de Memória do Raízes, o Quintal Bantu do Mestre Renato Santos e por fim, a Escola de Samba Unidos da Piedade.

Keila Silva, que compõe a equipe do Instituto Raízes e também é professora da rede municipal, lotada na Seme Central, explica sobre o projeto promovido pelo Instituto Raízes: “As formações com as escolas do Centro de Vitória, especialmente as que atendem as comunidades Piedade e Fonte Grande, são realizadas dentro do nosso ‘Projeto Para Sambar com as Crianças’. O projeto surgiu em 2017, a partir do entendimento de que o samba é uma excelente ferramenta didática e pedagógica, capaz de despertar nas crianças, jovens e adultos uma forma diferenciada de leitura e apreensão das coisas do mundo, da valorização das belezas e do patrimônio cultural das comunidades Piedade e Fonte Grande, onde a maioria reside e estuda”.

PUBLICIDADE