Briga política entre vereador e Amjap cria nova Associação de Moradores em Jardim da Penha

O grupo do vereador havia vencido a eleição para comandar a Amjap no biênio 2020/2021, porém, como o sistema de governo é colegiado e proporcional e com revezamento a cada seis meses, o grupo perdeu o comando neste ano

0
21
Jardim da Penha. Foto: Divulgação

Uma briga política por poder, entre o grupo ligado ao vereador de Vitória, Luiz Emanuel Zouain, que rompeu com a Associação de Moradores de Jardim da Penha (Amjap), permitiu a criação da Associação Comunitária de Jardim da Penha e Pontal de Camburi (Acojap). O grupo do vereador havia vencido a eleição para comandar a Amjap no biênio 2020/2021, porém, como o sistema de governo é colegiado e proporcional e com revezamento a cada seis meses, o grupo perdeu o comando neste ano.

“O modelo da Amjap vem sendo questionado há muito tempo, porque você ganha e não tem o direito de governar sozinho, aí os que perdem se juntam, formam maioria, e você que ganha não consegue governar. No último ano venho trabalhando numa nova associação de moradores que inclua Jardim da Penha e Pontal de Camburi. Agora o sistema de governo é presidencialista”, disse o vereador.

Segundo Luiz Emanuel, a criação da nova associação seguiu os trâmites legais: “Teve eleição, definida pelas regras legais que instruem a construção de uma associação comunitária. Tem presidente, secretário, tesoureiro, conselho fiscal, registro em cartório, CNPJ na Receita Federal. Absolutamente legal”. O presidente é o servidor público Felipe Cirilo e a nova Associação já tem participado de reuniões com o poder público.

O coordenador-geral da Amjap, Luiz Valentim, explicou que a cada seis meses os 11 coordenadores escolhem, no voto, o coordenador-geral, entre eles, e que, no último ano, o nome apoiado pelo grupo do vereador Luiz Emanuel perdeu. “Eu tive 8 votos, contra 2 e 1 abstenção”, explicou. E, por isso, mesmo tendo o grupo de Luiz Emanuel vencido a eleição em 2019, é Luiz Valentim, ligado ao grupo de oposição (PT), que comanda a Associação até a próxima eleição, em 8 de janeiro de 2022.

Ele contou que o motivo do grupo de Luiz Emanuel ter montado outra Associação é político: “Como o nome que apoiou perdeu, ele ficou desconfortável em usar a Associação para fazer política, já que é pré-candidato a deputado estadual. Então, ele vislumbrou essa saída, de criar outra Associação, para comandar”, disse Valentim.

A questão dos galpões do IBC, repassados pelo governo federal ao Ifes, também teria sido decisiva para o rompimento, segundo Valentim: “São quatro correntes que formam a Amjap. Três foram contra o leilão dos galpões do IBC, e só a corrente do Luiz Emanuel era a favor. A maioria também é contra mudar o PDU para ter prédio acima de cinco andares no bairro”. Valentim disse ainda que a Associação estuda questionar na Justiça a formação de uma outra Associação no bairro, que tem cerca de 33 mil moradores.

PUBLICIDADE